Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

Requalificação do Centro Histórico de Caminha já começou

Foto 1 1024 2500
12 Março 2019

A requalificação do Centro Histórico de Caminha começou ontem e os primeiros trabalhos vão decorrer entre a Praça de Espanha e a Travessa de S. João, estendendo-se posteriormente ao longo de toda a Rua Ricardo Joaquim de Sousa (Rua Direita), Travessa do Tribunal e largos dos Combatentes e Fetal Carneiro. Esta será a primeira fase da obra global e está orçada em cerca de 340.000€. A qualificação do espaço público e a renovação das infraestruturas são os dois grandes eixos de intervenção.

A grande oportunidade de intervir no Centro Histórico de Caminha surgiu no âmbito do programa Norte 2020 e a Câmara não perdeu tempo, apresentando a fazendo aprovar a candidatura. Seguiu-se todo o trabalho técnico, a discussão e a formalização da obra, que agora avança no terreno, dividida em duas grandes fases.

A que ontem se iniciou é a primeira e abrange as artérias que referimos, tendo sido programada por forma a não prejudicar os dois grandes momentos que mais dinamizam o Centro Histórico no inverno, designadamente a emblemática Passagem de Ano e o Carnaval.

A qualificação do espaço prevê a renovação de todas as infraestruturas e redes públicas, o que incluirá a rede de drenagem de águas residuais, pluviais e abastecimento. Também contempla a rede de distribuição de gás natural.

O Centro Histórico de Caminha, numa área de 10,37 hectares, vai assim sofrer uma profunda intervenção, num investimento já garantido de cerca de 800 mil euros, a que poderá acrescer a ação dos particulares em matéria do edificado de que são proprietários, uma vez que estão disponíveis importantes incentivos financeiros e fiscais.
As grandes linhas da intervenção para cada um dos espaços têm em vista objetivos concretos, que podemos resumir. Assim, na Rua de S. João, o propósito é a reabilitação (devolução) da dinâmica comercial desta artéria (desde o topo norte - edifício das Finanças - até ao encontro com a Rua Visconde Sousa Rego).

Quanto à obra a executar na rua Ricardo Joaquim Sousa e na Travessa do Tribunal, está em causa uma intervenção nos dois eixos do núcleo histórico que assumem maior vivência, com vista à renovação e qualificação urbana.

Sobre os trabalhos a desenvolver no Largo dos Combatentes, eles visam a recuperação da importância e do papel daquele largo, face à localização privilegiada (charneira), destacando a intenção de promover a condição de espaço de encontros e fixação de atividades, e a de induzir a reabilitação dos imóveis situados na área de influência do largo.

A intervenção no Largo Dr. Luís Fetal Carneiro, por seu lado, visa genericamente a qualificação do espaço público.

Recorde-se que o Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para o Centro Histórico de Caminha foram oportunamente apresentados à população, em sessão aberta, longa e bastante participada, que decorreu no salão nobre dos Bombeiros Voluntários de Caminha.

“A abertura comunitária foi uma grande oportunidade que abraçámos e que fomos preparando ao longo dos últimos anos. Tudo começou há cerca de quatro anos, com a deliberação da Assembleia Municipal, que definiu duas grandes áreas de intervenção no concelho: o Centro Histórico de Caminha e a zona da Sandia, em Vila Praia de Âncora, onde já estamos a intervir há algum tempo, com a obra em fase adiantada”, explica o vereador das Obras Públicas, Rui Lages.

Rui Lages refere ainda, em relação ao Centro Histórico, que houve necessidade de acautelar todo o dinamismo e a atividade comercial, sobretudo na chamada Rua Direita, relacionados, como referimos atrás, com a passagem de ano e o Carnaval. “Não podíamos avançar antes. O Carnaval de Caminha, sobretudo o nosso cortejo noturno, é uma referência ao nível dos carnavais de âmbito nacional. No passado dia 4 tivemos mais de 1500 pessoas fantasiadas a desfilar pelo Centro Histórico, durante mais de três horas, e milhares de pessoas a assistir. Temos também o Baile do Assalto, precisamente no Valadares, Teatro Municipal, que fica na Rua Direita”.