Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

Caminha regressa à Idade Média de 24 a 28 de julho

Apresentacao programa feira medieval  2  1 1024 2500
Apresentacao programa feira medieval  3  1 1024 2500
Apresentacao programa feira medieval  4  1 1024 2500
12 Julho 2019

Caminha regressa à Idade Média de 24 e 28 de julho, com a promoção de mais uma edição da Feira Medieval. Subordinada ao tema “CAMINHA MONÁSTICA”, esta edição promete algumas novidades. O programa da Feira Medieval foi apresentado esta manhã. “A Feira Medieval de Caminha é hoje considerada como uma das 5 melhores feiras medievais do país. Nós queremos sempre um pouco mais, embora seja difícil. O que é que nos temos vindo a fazer nos últimos anos: ao lado do reforço da animação, do espetáculo propriamente dito, tentamos chamar a atenção para aquilo que está na génese desta feira: o contexto histórico da vila de Caminha, mas também do Município de Caminha, por isso, envolvemos as juntas de freguesia, a escola” referiu Miguel Alves.


O antigo Edifício do Convento de Santa Clara, em Caminha, foi o cenário escolhido para a apresentação da programação da Feira Medieval intitulada “Caminha Monástica”. O momento contou com a presença de Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha, Paulo Torres Bento, professor do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, vereadores da Câmara Municipal, presidentes de diversas freguesias do concelho, e com a participação especial da Minho Dança e da Academia Sénior de Caminha.


Paulo Torres Bento fez o enquadramento histórico da Feira Medieval de Caminha. Recorda-se que “o concelho de Caminha albergou ao longo da sua história secular, com destaque para a época medieval, diversas comunidades monásticas, masculinas e femininas. Do primevo Mosteiro de São João de Arga, beneditino, de fundação incerta em inícios do século XII, aos conventos franciscanos na vila-sede do município, Santa Clara (1571) e Santo António (1618) — este último prosseguidor do Convento de Santa Maria da Ínsua (1392) —, sem esquecer o mais recente convento das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras (1898), que subsiste a meia-encosta de Santo Antão.   O mundo monástico, apesar de traduzir na origem uma opção de recolhimento espiritual e de fuga ao mundo, evidente nos locais isolados e inóspitos dos primeiros cenóbios, de que a Serra de Arga e a ilha da Ínsua são bons exemplos, evoluiria depois para uma relação mais próxima do século. Para além das conexões económicas — dos produtos da terra cultivados nas suas cercas à exploração dos frutos do mar nas camboas e mexilhoeiras —, a caridade e a assistência religiosa, o magistério das letras e a prestação de cuidados de saúde, constituíram-se como fortes elos de ligação entre regulares e populações locais.  Os conventos de Caminha foram ainda albergue de peregrinos a caminho de Santiago de Compostela — alguns notáveis, como o rei D. Manuel I, em 1502, ou o príncipe italiano Cosme III de Médici, em 1669 — e, à imagem de tantas outras localidades conventuais, alfobre de manjares e doçarias, como os “deliciosos papos de anjo ou pastéis de Santa Clara”, que perduraram até finais de oitocentos. Receitas esquecidas, mundos perdidos, resta hoje da Caminha Monástica do passado a sua rica e fecunda história, estudada em recolhimento nos arquivos ou celebrada em festa nas ruas” - Departamento de Ciências Sociais e Humanas — Grupo de História Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha.
Sobre a temática desta edição, o presidente da Câmara referiu: “Este ano decidimos falar desta Caminha monástica que é muito evidente, mas que nem toda a gente vê. Queremos chamar a atenção para aquilo que fez e construiu Caminha ao longo dos anos. E estas comunidades monásticas construíram Caminha, contribuíram para aquilo que ela é”.
Com um mercado medieval atrativo e um programa de animação aliciante, a Feira Medieval de Caminha é já uma referência. No mercado medieval vão abundar os petiscos medievais, desde a cerveja artesanal, produtos aromáticos, bijuteria, artesanato, couro, até aos brasões de família, brinquedos medievais, entre muitos outros artigos. A programação não vai ficar atrás, e vai convidar os visitantes a passear pelos vários espaços. Animação de rua contínua com músicos, bobos, cavaleiros, teatro e aves de rapina; acampamento medieval; danças palacianas e danças do povo, encenações, música medieval, torneio medieval com cavalos e cavaleiros, torneios equestres, cortejos, exibição de voos de aves de rapina, jogos medievais, espetáculos de fogo, saltimbancos, falcoaria, exposições e oficinas, são alguns dos espetáculos que vão dar o mote a esta edição.





“CAMINHA MONÁSTICA”
Feira Medieval 2019


CONTEXTO HISTÓRICO
O concelho de Caminha albergou ao longo da sua história secular, com destaque para a época medieval, diversas comunidades monásticas, masculinas e femininas. Do primevo Mosteiro de São João de Arga, beneditino, de fundação incerta em inícios do século XII, aos conventos franciscanos na vila-sede do município, Santa Clara (1571) e Santo António (1618) — este último prosseguidor do Convento de Santa Maria da Ínsua (1392) —, sem esquecer o mais recente convento das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras (1898), que subsiste a meia-encosta de Santo Antão.
O mundo monástico, apesar de traduzir na origem uma opção de recolhimento espiritual e de fuga ao mundo, evidente nos locais isolados e inóspitos dos primeiros cenóbios, de que a Serra de Arga e a ilha da Ínsua são bons exemplos, evoluiria depois para uma relação mais próxima do século. Para além das conexões económicas — dos produtos da terra cultivados nas suas cercas à exploração dos frutos do mar nas camboas e mexilhoeiras —, a caridade e a assistência religiosa, o magistério das letras e a prestação de cuidados de saúde, constituíram-se como fortes elos de ligação entre regulares e populações locais.
Os conventos de Caminha foram ainda albergue de peregrinos a caminho de Santiago de Compostela — alguns notáveis, como o rei D. Manuel I, em 1502, ou o príncipe italiano Cosme III de Médici, em 1669 — e, à imagem de tantas outras localidades conventuais, alfobre de manjares e doçarias, como os “deliciosos papos de anjo ou pastéis de Santa Clara”, que perduraram até finais de oitocentos. Receitas esquecidas, mundos perdidos, resta hoje da Caminha Monástica do passado a sua rica e fecunda história, estudada em recolhimento nos arquivos ou celebrada em festa nas ruas.
Departamento de Ciências Sociais e Humanas — Grupo de História
Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha


HORÁRIO
Qua, Qui e Sex 24, 25 e 26 julho: 18H00 – 01H00
Sáb. 27 julho: 11H00 – 01H00
Dom 28 julho: 11H00 – 00H00

QUA 24 JUL
OUTORGA DO FORAL DE CAMINHA PELO REI D. DINIS

Caminha recebe o seu primeiro Foral a 24 de julho de 1284, outorgado por D. Dinis, que atribui a esta Vila um código de privilégios, obrigações e liberdades que vieram aplacar diferendos e servir como instrumento de luta contra a ambição e poder senhorial e eclesiástico nestas terras


QUA 24 JUL | 18H00
ABERTURA OFICIAL DA FEIRA MEDIEVAL DE CAMINHA
O clérigo de Santa Maria de Caminha declara a abertura das Portas do Reino


EXPOSIÇÕES
CAMINHA E AS ORDENS MONÁSTICAS | OS CONVENTOS CAMINHENSES
Arcadas do Edifício Paços do Concelho
Conheça as comunidades monásticas que o concelho de Caminha acolheu ao longo da Idade Média, o Mosteiro de São João de Arga, beneditino, fundado em inícios do século XII, e o Convento de Santa Maria da Ínsua (1392).

“AVES DE RAPINA”
Terreiro
Exibição de aves de rapina diurnas e noturnas, materiais de falcoaria artesanal, exposição de ovos reis e plumas de variadíssimas espécies. Informação ao público sobre falcoaria, como centro de reprodução e recuperação de aves.

“Acampamento Medieval”
Adro da Igreja Matriz de Caminha
Este espaço recria o quotidiano de um acampamento medieval, com os seus ofícios e as lavouras do dia a dia, assim como as atividades de treino na lide das armas.

--------------------------------------------------------

TERREIRO
Quarta
18H30 | Exibição de voos de Aves de Rapina
19H00 | Danças do Povo ao Som da Música Medieval - Minho Dança
00H00 | Espetáculo de Fogo – E tudo o fogo ateou…

Quinta
19H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
21H00 | As Pêgas da Corte – Provocadoras Cortesãs enfeitiçam os Homens do Reino

Sexta
19H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
20H30 | O Misterioso Caldeirão da Bruxa – aprendizes de feiticeira evocam o acordar da Bruxa
21H30 | Feios e Mal Cheirosos – Personagens Medonhas intimidam as gentes
22H00 | Os Seres da Floresta, Fadas e Magos da Floresta deambulam entre sonhos e magia

Sábado
12H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
15H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
16H15 | Alforria – A vida numa Carroça
19H00 | O Misterioso Caldeirão da Bruxa – aprendizes de feiticeira evocam o acordar da Bruxa
20H00 | Danças do Povo ao Som da Música Medieval
21H30 | Os Seres da Floresta, Fadas e Magos da Floresta deambulam entre sonhos e magia


Domingo
12H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
12H30 | Alforria – A vida numa Carroça na Praça do Reino
16H30 | As Nobrérrícas, Marquesas e baronesas espalham encantos pelas gentes do reino….
19H00 | Exibição de Voos de Aves de Rapina
21H00 | Danças Orientais
23H30 | Goblins do Fogo – Espetáculo de Fogo

ADRO DA MATRIZ
Quarta
19H30 | Cavaleiros em Desfile pelas ruas do Reino
22H00 | Cortejo Inaugural - Caminha Monástica
O Mosteiro como Unidade Económica – Apanha de Bivalves (lapa, mexilhão) para alimentação / cal hidratada para construção civil / Apanha de Algas (Sargaço), Camboas para o Peixe, Salinas;
O Mosteiro e a Componente Religiosa e de Festa Popular – Ranchos de Peregrinação a S. João D´Arga e Sta. Bárbara
O Mosteiro e a Caridade — Enfermaria, Apoio aos Pobres e Acolhimento de Peregrinos;
O Mosteiro como Centro de Cultura e Educação – Oficina dos monges copistas, códices, iluminuras (scriptorium); Escolas monásticas; a Regra de São Bento.
Acompanham Cavaleiros, Músicos, Alquimistas, Trovadores, Malabares de Fogo, Gentes do Povo e Nobres em Cortejo
Percurso:  Adro da Igreja Matriz, Rua de Meios, Terreiro, Rua das Flores, Terreiro, Rua do Vau e Adro da Matriz.

23H30 | Espetáculo Equestre no Acampamento Medieval

Quinta
18H30 | Desfile de Cavaleiros pelas ruas do Burgo
23H00 | Espetáculo Equestre no Acampamento Medieval

Sexta
18H00 | Cavaleiros em Desfile pelas ruas do Burgo
23H00 | Espetáculo Equestre no Acampamento Medieval

Sábado
Espetáculo Equestre no Acampamento Medieval de hora em hora

Domingo
Espetáculo Equestre no Acampamento Medieval de hora em hora
22H30 | Cortejo Inaugural - Caminha Monástica
O Mosteiro como Unidade Económica – Apanha de Bivalves (lapa, mexilhão) para alimentação / cal hidratada para construção civil / Apanha de Algas (Sargaço), Camboas para o Peixe, Salinas;
O Mosteiro e a Componente Religiosa e de Festa Popular – Ranchos de Peregrinação a S. João D´Arga e Sta. Bárbara
O Mosteiro e a Caridade — Enfermaria, Apoio aos Pobres e Acolhimento de Peregrinos;
O Mosteiro como Centro de Cultura e Educação – Oficina dos monges copistas, códices, iluminuras (scriptorium); Escolas monásticas; a Regra de São Bento.

Acompanham Cavaleiros, Músicos, Alquimistas, Trovadores, Malabares de Fogo, Gentes do Povo e Nobres em Cortejo
Percurso:  Adro da Igreja Matriz, Rua de Meios, Terreiro, Rua das Flores, Terreiro, Rua do Vau e Adro da Matriz.

LARGO DO POÇO
Quarta
19H15 | Salt’Aqui, Salt’Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo  
00H30 | Goblins do Fogo, Espetáculo de Fogo

Quinta
00H30 | E tudo o fogo ateou… - Espetáculo de Fogo

Sexta
19H30 | A Arte da Adivinhação, gentes nómadas espelham sonhos e alegria
20H00 | Danças do Povo ao Som da Música Medieval
23H30 | Goblins do Fogo – Espetáculo de Fogo

Sábado
11H00 | As Nobrérricas, Marquesas e Baronesas espalham encantos pelas gentes do reino
12H15 | Malabares Dançantes Vagueiam pela Praça
14H30 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam a vender os seus remédios caseiros
18H00 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
23H30 | Goblins do Fogo – Espetáculo de Fogo

Domingo
11H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo
14H00 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam vendendo os seus remédios caseiros
16H00 | Burlões Trapaceiros espalham truques e ilusões na Praça d’El Rei
19H00 | Danças do Povo ao Som da Música Medieval


MURALHAS DO CONVENTO
Sábado
22H00 | Torneio Medieval com cavalos e cavaleiros

RUA DAS FLORES
Quarta
18H00 | Malabares Dançantes animam o Burgo
20H00 | Danças Orientais

Quinta
18H15 | Malabares Dançantes vagueiam pela praça

Sexta
18H00 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam a vender os seus remédios caseiros
19H15 | Dançantes e Malabares inundam as terras do Reino
21H00 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo

Sábado
11H30 | Trocadores de Flores e Plantas Medicinais transmitem Sabedoria e Esperança
14H00 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
18H30 | Salt`Aqui, Salt`Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo
20H00 | Danças Orientais

Domingo
11H15 | Feios e Mal Cheirosos – Personagens Medonhas intimidam as gentes
14H30 | “A Fuga“ da Trupe os Almeidas
18H30 | Salt’Aqui, Salt’Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo
21H30 | Os Seres da Floresta, Fadas e Magos da Floresta deambulam entre sonhos e magia



LARGO DO HOSPITAL
Quarta
21H00 | Salt’Aqui, Salt’Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo

Quinta
19H15 | As Pêgas da Corte – Provocadoras cortesãs intriguistas tentam os homens do Reino

Sexta
18H30 | Agostinho e Felicidade, Trocadores de Flores e Plantas Medicinais transmitem sabedoria e esperança
19H00 | Burlões Trapaceiros espalham truques e ilusões na Praça d’El Rei  
20H00 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo

Sábado
11H00 | Cavaleiros em Desfile
15H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo
17H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo
20H30 | Salt’Aqui, Salt’Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo

Domingo
12H00 | Desfile de Cavaleiros pelo Burgo
13H30 | As Pêgas da Corte – Provocadoras cortesãs enfeitiçam os homens do reino
17H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo
20H30 | Vendedores do Oriente, espalham pós milagrosos, tecidos e perfumes vindos de outras terras

RUA DE MEIOS
Quarta
18H00 | Salt’Aqui, Salt’Acolá, Bufons Malabaristas dispostos animar as gentes do Burgo

Quinta
18H00 | As Pêgas da Corte – Provocadoras cortesãs enfeitiçam as gentes do reino
20H00 | A Arte da Caligrafia Medieval - Oficina de Aprendizes

Sexta
19H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo
20H00 | A Arte da Caligrafia Medieval na Oficina de Aprendizes
20H15 | Burlões Trapaceiros espalham truques e ilusões na Praça d’El Rei

Sábado
11H15 | Burlões Trapaceiros espalham truques e ilusões na Praça d’El Rei
13H00 | A Arte da Caligrafia Medieval na Oficina de Aprendizes
15H00 | Os Caçadores de Ratos, deambulam pelo Burgo
19H30 | A Trupe “Os Almeidas” deambulam pelo Burgo

Domingo
11H00 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
13H00 | A Arte da Caligrafia Medieval na Oficina de Aprendizes
17H00 | Trocadores de Flores e Plantas Medicinais transmitem sabedoria e esperança
19H30 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam a vender os seus remédios caseiros

RUA DO VAU
Quarta
20H30 | Malabares vagueiam por terras do reino

Quinta
20H15 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
00H00 | Goblins do Fogo – Espetáculo de Fogo

Sexta
18H15 | Malabares Dançantes vagueiam pela praça
20H00 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam a vender os seus produtos caseiros
21H00 | Danças Orientais
00H00 | Espetáculo de Fogo – E tudo o fogo ateou…

Sábado
11H30 | “A Fuga“ da Trupe os Almeidas
13H30 | Vendedores do Oriente, espalham pós milagrosos, tecidos e perfumes vindos de outras terras
16H00 | Feios e Mal Cheirosos – Personagens Medonhas intimidam as gentes
19H15 | Os Vendedores de Chagas, pobres leprosos deambulam a vender os seus remédios caseiros

Domingo
11H30 | A Arte da Adivinhação, gentes nómadas espelham sonhos e alegria em troca de algumas moedas…..-
15H00 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
18H00 | Dançantes e Malabares inundam as terras do reino
20H15 | O Misterioso Caldeirão da Bruxa – aprendizes de feiticeira evocam o acordar da Bruxa



GRUPOS DE ANIMAÇÃO:
Curinga, Sons da Suévia, Lôa Trovadoresca, Gaitas Sirigaitas, Trabucos, Cetrería Aurélio, LePersilNoir, Os Almeidas, AGAPE, Boca de Cão, Kinessis, Porta de Cena.

Com a participação das Juntas de Freguesia, Associações e grupos do Concelho de Caminha