Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

Dragagens no Portinho de Vila Praia de Âncora asseguradas até 2023

Dragagens no Portinho de Vila Praia de Âncora asseguradas até 2023
26 Julho 2021

Ministro do Mar voltou à Vila para assinar contrato, dois meses depois de aqui ter assumido esse compromisso

O Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, regressou esta manhã a Vila Praia de Âncora, dois meses depois de aqui ter assumido o compromisso de que seriam realizadas dragagens regulares no Portinho, até que seja encontrada uma solução estrutural, que será objeto de estudo técnico aprofundado. O compromisso está cumprido, com a assinatura de um Contrato Plurianual de Dragagens dos Portos do Norte, no valor de 4,12 milhões de euros, que contempla outros portos também, mas que permitirá entre 2021 e 2023 dragar 80 mil m3 de areia. A cerimónia decorreu no Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora.

Conforme destacou o Presidente da Câmara, Miguel Alves, há já neste momento uma grande operação em curso, no valor de 1,6 milhões de euros, a maior dragagem de sempre no Portinho de Vila Praia de Âncora, que permitirá retirar 111 mil m3 de areia, já analisada e que cumpre todos os requisitos. Essa areia está entretanto a ser utilizada no enchimento de geocilindros para consolidação da Duna dos Caldeirões.

Dada a obra em curso, o Contrato Plurianual de Dragagens dos Portos do Norte não prevê mais operações para o ano em curso em Vila Praia de Âncora, mas assegura dragagens para 2022 e 2023, com quantidades de areia a retirar do Portinho de 25 mil m3 e 55 mil m3 respetivamente.

Miguel Alves agradeceu a visita do Ministro do Mar para cumprir a palavra dada há dois meses: “uma Terra que é do mar gosta de receber esta brisa de novidades e de boas notícias”. Reiterou a importância do estudo que será realizado através da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Recursos Marítimos - DGRM e saudou a solução encontrada neste contrato plurianual. O Presidente da Câmara reiterou também o desafio para que a gestão da área portuária possa ser entregue ao Município. “Acredito que o Município pode fazer melhor esta gestão, mais depressa, de forma mais eficaz, com maior proximidade e outros instrumentos”, disse.

“Hoje é um dia feliz”

Coube ao Presidente da DGRM, José Carlos Simão, explicar os pormenores do contrato e a nova estratégia. José Carlos Simão anunciou também que, no caso de Vila Praia de Âncora, há um procedimento em preparação que envolve o estudo da reconfiguração do Porto com o objetivo de minimizar as condições de assoreamento. Adiantou que o estudo será financiado pelo PO Mar2020.

Relativamente à estratégia, Carlos Simão sublinhou a nova abordagem, que classificou como estruturada e prudente e que prevê: levantamentos todos os anos, após o inverno marítimo para planeamento das intervenções anuais; antes e depois de cada intervenção atualização dos levantamentos; atualização da análise química com número de amostras pré-fixadas; procedimento de depósito para as diferentes categorias de sedimentos; ritmo mínimo de dragagem assegurado e levantamentos adicionais e almofada de volumes (por ano) a dragar para situações extraordinárias.

“Hoje é um dia feliz”, rematou o Presidente da DGRM”, justificando a afirmação com a assinatura do maior contrato só de dragagens da DGRM, pelo facto de se tratar do primeiro contrato plurianual e por ficarem assim asseguradas dragagens de manutenção por três anos nos Portos do Norte. Além de Vila Praia de Âncora, o contrato contempla Esposende, Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

O maior investimento de sempre com estas caraterísticas

O Ministro do Mar encerrou a sessão referindo o longo caminho mas também a nova estratégia para o Mar, designadamente em matéria de dragagens, até porque acredita que as alterações climáticas tornarão estas operações ainda mais exigentes no futuro. O caráter plurianual representa, para Ricardo Serrão Santos, “uma mudança de procedimento que espero que venha para ficar”. Sobre o valor do contrato, 4,12 milhões de euros, lembrou que se trata da maior autorização de sempre dada por um Governo para este fim, e traduz um grande esforço do Ministério do Mar e do Governo para assegurar condições e segurança em geral.

Revelou ainda que, através da Docapesca, será investidos mais 4,35 milhões de euros em Portos, para melhorar condições para a pesca, turismo e transporte de pessoas e bens.