Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

Mural de Alberto Rodrigues Marques assinala 40º aniversário do Festival de Vilar de Mouros 1982

Mural de Alberto Rodrigues Marques assinala 40º aniversário do Festival de Vilar de Mouros 1982
alberto_rodrigues_marques_768x500
27 Junho 2022

Inauguração, no Palco do Casal, está agendada para 1 de julho, pelas 19H00

Um Mural comemorativo do 40º aniversário do Festival de Vilar de Mouros 1982, numa intervenção artística de Alberto Rodrigues Marques, no âmbito do Touring Cultural - Aldeias do Minho, está a ser ultimado no Palco Histórico, no Largo do Casal, em Vilar de Mouros e tem inauguração agendada para1 de julho, pelas 19H00.

O EDP Vilar de Mouros está de volta este ano, nos dias 25, 26 e 27 de agosto, com um programa em grande parte já anunciado e que inclui concertos que se adivinham extraordinários. Nessa altura já se terá completado na verdade mais de meio século sobre o mítico festival, que é o mais antigo de Portugal e não só. Vilar de Mouros fez história em Portugal e na Europa. À exceção de Inglaterra, o festival caminhense foi uma novidade e durante três fins de semana de agosto de 1971, o “Woodstock português” havia de marcar a música internacional.

A passagem dos 50 anos foi celebrada dentro do que era razoável, tendo em conta a situação pandémica, mas o festival é composto por muitos “marcos” e um deles é sem dúvida 1982, quando foi relançado, depois da última edição em 1971 e um regresso falhado em 1975, na complexidade do pós-25 de Abril.

Na história fica o gigante Festival de Vilar de Mouros 1982, sobretudo porque foi o relançamento do festival, numa aposta da Câmara Municipal de Caminha, que se fez acompanhar de várias pessoas cujo nome ficará para sempre associado a este evento, como António Barge e o maestro António Victorino d’Almeida. Pelo palco passaram nomes como os internacionais Echo & The Bunnymen, Durutti Column, Mikis Theodorakis e portugueses como Carlos do Carmo, Jáfumega, Adriano Correia de Oliveira, GNR ou Roxigénio. De todos ficaram muitas e boas recordações, mas há uma muito particular: os U2, estreantes em Portugal nessa altura, que atuaram na última noite do festival, a 3 de agosto.

O Festival de Vilar de Mouros viria a sofrer outras vicissitudes e outras interrupções, temendo-se por várias vezes o seu desaparecimento, até porque, entretanto, outros festivais surgiram, um pouco por todo o país. Regressou para ficar, já com o atual Executivo da Câmara Municipal.

No próximo dia 1 de julho, o Mural de Alberto Rodrigues Marques será mais uma marca e uma memória de uma das mais importantes edições. Foi há 40 anos.