Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Instagram
  • RSS feed

'Um livro, uma Conversa e às vezes um filme' apresenta o livro “Gallaecia, um pouco a Norte”, de João Pedro Mésseder

"Um livro, uma Conversa e às vezes um filme" apresenta o livro “Gallaecia, um pouco a Norte”, de ...
09 Abril 2024

"Um livro, uma Conversa e às vezes um filme" vai apresentar já na sexta-feira, dia 12 de abril, o livro “Gallaecia, um pouco a Norte”, de João Pedro Mésseder. Este livro “é um livro de poesia trilingue e uma homenagem à Galiza” e vai ser apresentado pela galega Helena Pousa Ortega. A sessão conta com a presença do autor e terá lugar pelas 18H00, na Biblioteca Municipal de Caminha. Esta iniciativa está integrada na programação da VI Festa do Livro e conta com um recital a cargo da Academia Sénior.

Para além de apresentar o livro em causa, João Pedro Mésseder também vai fazer a leitura dramatizada da sua obra “Romance do 25 de Abril”, para os alunos do 2º ciclo do Agrupamento de Escolas do Concelho de Caminha, nas Bibliotecas de Caminha e de Vila Praia de Âncora.

Para nós, o autor escreveu um poema especial e que passamos a citar:

 

Canção de Caminha e de Vila Praia de Âncora

Muito minha

a beleza de Caminha?

Muito tua

a de Vila Praia de Âncora?

Nem uma é minha,

nem outra é tua.

 

São ambas do vento,

são ambas do mar,

são ambas do céu

e das suas nuvens,

são ambas dos rios,

são ambas dos montes.

 

E, não duvides,

são da Serra d’Arga

de António Pedro,

e à hora do banho

são de Cesariny

a escrever o Romance

da Praia de Moledo”.

 

João Pedro Mésseder

 

João Pedro Mésseder (Porto, 1957), nome literário de José António Gomes, é escritor, vive no Porto e publicou numerosas obras quer para adultos quer para os mais jovens. Ganhou quatro prémios pelos seus livros de poesia Fissura (2000), Uma Pequena Luz Vermelha (2000), Clube Mediterrâneo: doze fotogramas e uma devoração (2017) e Estação dos Líquidos (2021), e publicou mais de duas dezenas de obras para adultos. Cinco dos seus livros infanto-juvenis (Pequeno Livro das Coisas, 2012, De Umas Coisas Nascem Outras, 2016, Caras, 2022, e outros) foram igualmente distinguidos. O seu Romance do 25 de Abril atinge, em 2024, a 6.a edição. Três dos últimos títulos que publicou: Espanta-espíritos (2020), A Quem Pertence a Linha do Horizonte? (2020) e As Casas das Coisas (2023). Em 2023, foi distinguido pelo município com a Medalha de Mérito da cidade do Porto. Livros seus foram traduzidos para espanhol, galego e francês. É doutorado pela Universidade Nova de Lisboa, professor do ensino superior politécnico e investigador na área da literatura.

 

Como já referimos e se pode ler na sinopse da obra “este é um livro de poesia trilingue e uma homenagem à Galiza: ao povo e à terra, à sua língua, cultura e identidade. Pode ser lido como uma pequena viagem poética a uma região de singular encanto - irmã de Portugal -, de cujo idioma medievo (veículo de grande poesia trovadoresca) brotaram dois: as línguas a que hoje chamamos Galego e Português.

Além de se apresentarem na sua língua original, os versos de João Pedro Mésseder surgem aqui traduzidos para Galego e para Castelhano por Isabel Soto López, uma das mais reconhecidas tradutoras da Galiza, também crítica literária e editora”.

 

Para apresentar o seu livro, João Pedro Mésseder convidou Helena Pousa Ortega, nascida na Galiza, em Goián (Tominho). Estudou Filologia Galego-Portuguesa na Universidade de Santiago. Foi professora no IES Sampaio de Tui e deu aulas de galego e de português.

Investigou aspetos relativos às soluções lingüísticas da denominada “raia molhada”,  nomeadamente no Baixo Minho galego e parte do Alto Minho português. Já leva recolhidos mais de 7.000 nomes de lugar na microtoponimia de várias freguesias dos concelhos do Baixo Minho e O Condado ( Goián, As Eiras, Enteza, Areas etc.), para o Proxecto Toponimia de Galicia, agora denominado Galicia nomeada.

Colabora também em investigações e publicações sobre a repressão da mulher na guerra civil espanhola: Mulleres represaliadas no cárcere de Tui (1936-1939).

Atualmente colabora no jornal Nós Diário e na revista Nova Ardentia com artigos sobre a raia molhada, as suas características e as suas analogias.