Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

Coleção de Serralves regressa a Caminha com obras de Pedro Cabrita Reis

Coleção de Serralves regressa a Caminha com obras de Pedro Cabrita Reis
07 Agosto 2020

A coleção de Serralves regressa a partir de hoje ao Museu Municipal de Caminha com uma exposição de obras de Pedro Cabrita Reis. A mostra, que abre às 18h00, reúne um conjunto de trabalhos do artista que pertencem à coleção do Museu de Arte Contemporânea de Serralves e que dão uma perspetiva sobre a evolução da obra de Cabrita Reis ao longo das décadas de 80 e 90.
Até 28 de novembro, o público terá oportunidade de conhecer várias obras desta fase inicial. De acordo com declarações de Joana Valsassina, responsável pelas itinerâncias de Serralves, nestes trabalhos iniciais, o artista explora conceitos paradigmáticos como, por exemplo, o caso da água, a morte e a memória, partindo do campo da pintura, desenho, etc. A exposição inclui mais de uma dezena de trabalhos de pintura e escultura que exploram diferentes materiais.
“Com reconhecimento internacional consolidado, o trabalho de Pedro Cabrita Reis tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 1980. A sua complexa obra, caracterizada por um idiossincrático discurso filosófico e poético, engloba uma grande variedade de meios: pintura, escultura, fotografia, desenho e instalações compostas de materiais encontrados e de objetos manufaturados. Utilizando materiais simples e submetendo-os a processos construtivos, Pedro Cabrita Reis recicla reminiscências quase anónimas de gestos e ações primordiais repetidos no quotidiano. Centradas em questões relativas ao espaço e à memória, as suas obras adquirem um sugestivo poder de associação que, transpondo o visual, alcança uma dimensão metafórica”, lê-se na biografia do artista.
Cabrita Reis tem participado em importantes exposições internacionais, tais como na Documenta IX em Kassel, em 1992, nas 21ª e 24ª Bienais de São Paulo, e no Aperto na Bienal de Veneza de 1995. Em 2003, representou Portugal na Bienal de Veneza e em 2009 participou na Xème Biennale de Lyon, “The Spectacle of the Everyday”. O seu trabalho tem sido exibido em numerosas exposições organizadas por diversos museus e centros de arte.
Recorde-se que o Município de Caminha aceitou, em 2016, o convite da Fundação de Serralves tendo-se tornado membro do Conselho de Fundadores da Fundação de Serralves mediante a celebração de um protocolo, o que já permitiu trazer ao concelho várias exposições pertencentes a Serralves.