Passar para o Conteúdo Principal
Top
Logótipo
  • Facebook
  • Youtube
  • Twitter
  • RSS feed

“Cabrita: obras na Coleção de Serralves” para apreciar no Museu Municipal de Caminha

“Cabrita: obras na Coleção de Serralves” para apreciar no Museu Municipal de Caminha
08 Agosto 2020

Mais de uma dezena de obras de Pedro Cabrita Reis, pertencentes à Coleção do Museu de Arte Contemporânea de Serralves podem, a partir de agora, ser admiradas no Museu Municipal de Caminha. A inauguração da mostra “Cabrita: Obras na Coleção de Serralves” aconteceu no final da tarde de sexta-feira, com a presença, entre outros, de Manuel Heitor, Ministro da Ciência e Ensino Superior; Artur Santos Silva, banqueiro; Luís Braga da Cruz, ex-Ministro; Isabel Pires de Lima, Vice-Presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves e Joana Valsassina curadora da exposição.
Esta é uma mostra fundamental para entender a evolução da obra de Cabrita Reis ao longo de mais de uma década e prestigia o concelho de Caminha. O Município aceitou, em 2016, o convite da Fundação de Serralves tendo-se tornado membro do Conselho de Fundadores da Fundação de Serralves mediante a celebração de um protocolo, o que já permitiu trazer ao concelho várias exposições pertencentes a Serralves.
A exposição agora inaugurada pode ser visitada até 28 de novembro, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.
Conforme foi explicado, “a presente exposição reúne um conjunto de obras de Pedro Cabrita Reis (Lisboa, 1956) pertencentes à Coleção de Serralves, oferecendo uma perspetiva sobre a evolução formal e conceptual da obra do artista ao longo das décadas de 1980 e 1990.”
Sobre a obra do artista, Serralves destaca: “com reconhecimento internacional consolidado, o trabalho de Cabrita tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 1980. A sua complexa obra, caracterizada por um idiossincrático discurso filosófico e poético, engloba uma grande variedade de meios: pintura, escultura, fotografia, desenho e instalações compostas de materiais encontrados e de objetos manufaturados. Utilizando materiais simples e submetendo-os a processos construtivos, Cabrita recicla reminiscências de gestos, ações, objetos e espaços primordiais do quotidiano. Centradas em questões relativas à condição humana e a conceitos paradigmáticos como o sagrado, a morte, a casa e a memória, as suas obras adquirem um sugestivo poder de associação que, transpondo o visual, alcança uma dimensão metafórica”.
“Cabrita: Obras na Coleção de Serralves” faz parte do programa de apresentação de obras da Coleção de Serralves, “selecionadas para os locais de exposição com o objetivo de tornar o acervo acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país”.
Cabrita Reis tem participado em importantes exposições internacionais, tais como na Documenta IX em Kassel, em 1992, nas 21ª e 24ª Bienais de São Paulo, e no Aperto na Bienal de Veneza de 1995. Em 2003, representou Portugal na Bienal de Veneza e em 2009 participou na Xème Biennale de Lyon, “The Spectacle of the Everyday”. O seu trabalho tem sido exibido em numerosas exposições organizadas por diversos museus e centros de arte.